Aviso aos náufragos

•novembro 21, 2013 • Deixe um comentário

Esta página, por exemplo,
não nasceu para ser lida.
Nasceu para ser pálida,
um mero plágio da Ilíada,
alguma coisa que cala,
folha que volta pro galho,
muito depois de caída.

Nasceu para ser praia,
quem sabe Andrômeda, Antártida
Himalaia, sílaba sentida,
nasceu para ser última
a que não nasceu ainda.

Palavras trazidas de longe
pelas águas do Nilo,
um dia, esta pagina, papiro,
vai ter que ser traduzida,
para o símbolo, para o sânscrito,
para todos os dialetos da Índia,
vai ter que dizer bom-dia
ao que só se diz ao pé do ouvido,
vai ter que ser a brusca pedra
onde alguém deixou cair o vidro.
Não e assim que é a vida?

Como no momento não tenho nada à escrever de fortes emoções e intensos sentimentos, porque minha Alma está rasa nesse sentido, quase vazia, achei esse belo poema de Paulo Leminski, que cai à perfeição para esse blog.Imagem

Anúncios

FUTUROLOGIA

•dezembro 29, 2009 • Deixe um comentário

Se eu tivesse o poder de pré-ver o futuro, juro que não me permitiria estar onde estou hoje; apesar de não estar em má situação; ao contrário, estou bem em vários aspectos de minha vida; mas honestamente preferiria milhões de vezes estar em outro lugar, outra profissão, outras atividades, outras opções de futuro.

Mas quem sabe eu não tome coragem e comece um novo final para minha vida?

Já estou pensando nisso há muito tempo. Vou continuar pensando…

Somente para os Raros!

•junho 6, 2008 • Deixe um comentário

O texto abaixo ainda não é o ideal para abrir esse blog, mas como o objetivo aqui é ser o mais espontâneo possível, vou deixar como está, até que eu me decida se mudo, reescrevo ou deixo tudo como está:

Esse blog é a fronteira do meu eu interior, meus pensamentos, emoções e sensações que alimenta todo o tempo minha alma, as vezes conturbada, muitas vezes muito feliz pelo simples fato de existir, viver!

Mas aqui vou me expor com toda a crueza e originalidade com que convivo comigo mesmo, então todos poderão se surpreender com momentos brilhantes de minha mente, ou se decepcionar com minhas mesquinharias e pensamentos menores.

Espero mais surpreender do que decepcionar, mas vou procurar ser o mais espontâneo possível, não me policiar para escrever somente textos bacaninhas, mesmo porque aqui não haverá lugar para a poesia, serão palavras e mais palavras descrevendo meus conturbados e irados discursos de indignação ou de momentos repletos de amarguras e decepções e até os momentos mais deprimidos, aqueles que somente nos permitimos vivenciar quando estamos sózinhos, sem condescêndencia.

Portanto, aqui estará um outro eu que convive comigo 24 hs por dia, em todos os seus momentos de euforia, lucidez, decepção, equívocos e amargor ocasionais.

Essa imagem descreve exatamente o que pretendo mostrar nesse espaço: transparência, momentos de desespero e entranhas à mostra, com todos os meus fantasmas e insetos que cercam os momentos mais angustiosos de minha vida.